31 Dez

Na dúvida, faz!

É Dezembro, vivo o último dia do ano 2018. Lembro-me exactamente o que estava a fazer no ano transacto. Estava muito distante de imaginar o que me reservaria 2018. Este ano que hoje termina poderia ter sido o pior de toda a minha vida. Não foi.

O que o fez diferente? 

A minha perspectiva acerca do que é viver e da oportunidade mágica que é acordar neste país maravilhoso que é Portugal, com amigos, com trabalho que gosto muito e com sonhos.

Janeiro foi um mês avassalador, acordei na manhã madrugadora do primeiro dia do ano com a pior noticia que o meu cérebro poderia sequer imaginar: O Homem mais importante da minha vida tinha voado. Largou-nos. Voou a cantar para outra dimensão e deixou-nos órfãos de um colo emocional sem igual. Ninguém sobrevive a isto, nunca. Está tatuado no ADN do que somos, na forma como respiramos, de como observamos o mundo.  Eu não sobrevivi. Eu reaprendi, como ele me ensinou, a continuar a viver porque cada dia é uma nova oportunidade de fazer algo pela primeira vez. Num ano, temos pelo menos, 365 novas oportunidades de fazer um caminho épico e cheio de experiências enriquecedoras …


Quando foi a última vez que fazes-te algo pela primeira vez?


Existem hábitos que adoptamos que melhoram a nossa vida. Alguém já nos estudou e descobriu que sempre que nos focamos no lado bom das coisas, o nosso cérebro produz uma substância química chamada serotonina, que aumenta a nossa capacidade de decisão e, também, as nossas células continuam a receber um impulso positivo. Portanto, se formos gratos pelo bom que temos na nossa vida, trabalharmos para melhorar, e multiplicar esse efeito positivo é boa ideia começar por fazer o necessário, evoluir para, o possível e subitamente fazemos o impossível. É assim que sinto este ano. Se alguém me dissesse no passado como iria ser qualquer dos meus anos futuros eu jamais acreditaria. Sabem aquela imagem da vidente que nos conta o futuro? Nunca consigo prever nada do que me vai acontecer porque é sempre tudo maior, mais intenso, mais belo, mais duro, mais dramático mas também, mais compensador!


Como prova anti-procrastinação, esse sentimento que muitas vezes reside na nossa vida, lanço o meu primeiro artigo no meu site que tem anos, hoje!  O último dia do ano, um dia tão válido como qualquer outro porque não sabemos mesmo qual é o nosso último dia, se haverá um amanhã e o que nos vai permitir. 


Desde que sei escrever e dobrar papel que escrevo resoluções de ano novo. Este ano não vou fazer resoluções vou fazer um pedido ao Universo: Saúde! Saúde para mim, para os que amo, para os que me lêem, para todos que precisam dela. Os restantes objectivos alcançam-se com trabalho e dedicação, os restantes sentimentos, emoções ou vontades, vão acontecer no tempo certo porque a caminhada que estamos a fazer tem sempre luz, luz e sombra e cabe-nos a nós saber como a equilibrar. 

Amanhã é um novo ano, cheio de novas oportunidades, esperança renovada, não esperem para fazer qualquer coisa. Façam-na!

Todos temos o poder de mudar e melhorar, começemos por sorrir mais, dar mais, ser mais!
A minha sugestão de mudança para 2019 é que se institua o dia feliz, para que a esperança e a gratidão se renovem a cada dia e não fiquem distantes.

Assim, Feliz Dia 🙂

Este escrito não está de acordo, com o novo acordo ortográfico.